Siga-nos por Email:

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Especial Jane Austen – Razão e Sensibilidade

Costumo dizer “Jane Austen é Jane Austen”, simplesmente isso, porque não há muito mais a dizer além disso. Austen é uma escritora única, com um dom ímpar para definir e diferenciar suas personagens através das suas personalidades.

Um exemplo claro que tenho é o primeiro grande diálogo de “Razão e Sensibilidade”, entre John Dashwood e sua esposa. Numa simples conversa é possível perceber a tolice do marido e o modo fácil com que sua esposa o manipula, mostrando duas personalidades bem distintas e o modo que uma se sobrepõe a isso. Um diálogo que me fez reconhecer a verdadeira beleza do modo de escrever de Jane Austen.


O diálogo em questão trata dos esforços de uma esposa egoísta tentando convencer o marido a não dar ajuda econômica às suas meias-irmãs e à madrasta, agora pouco afortunadas após a morte de Henry Dashwood, seu pai. A falta de simpatia da esposa de John Dashwood, Fanny, faz com que a Sra. Dashwood faça o possível para mudar-se o mais rapidamente possível com suas filhas, Elinor, Marianne e Margaret. E eis aqui outra particularidade do livro: o fato de quatro mulheres virarem-se praticamente sozinhas numa sociedade que tinha a figura paterna muito poderosa em uma família.


Um dos pontos mais fortes do livro, a meu ver, é o balanço entre as personalidades das irmãs Elinor e Marianne. A primeira é controlada em todos os sentidos, atenciosa e preocupada com o bem estar de todos, especialmente os de sua família. Já Marianne é motivo de muitas queixas da irmã mais velha por deixar-se levar pelas emoções do momento, pelo romantismo e, talvez, apego um pouco egoísta aos seus sentimentos, ignorando, por vezes, os que a cercam. Eis aí então a clara explicação do título do livro.


Diferentes situações acabam por fazer as duas irmãs olharem uma a outra de modo diverso e, especialmente, perceberem suas próprias falhas. Um excelente livro que, como é costume de Austen, tem diferentes personalidades em seu enredo, personalidades estas que não são descritas pela autora, mas mostradas de modo a serem facilmente percebidas e, especialmente, distinguidas pelo leitor. Um livro verdadeiramente de Jane Austen.

Ana Seerig

___________________________

Ana, obrigada por sua linda participação no Em Quantos! É muito bom fazer parceria com pessoas como você!

Algumas das imagens que ilustram esse post são do filme "Razão  e Sensibilidade" de 1995, com Emma Thompson, Alan Rickman, Kath Winslet e Hugh Grant, filme ganhador de 7 indicações ao Oscar. E se você leu essa resenha e ficou com vontade de conhecer um pouco mais dessa história, deixe junto a seu comentário o seu e-mail que domingo (15 de Janeiro) eu vou estar sorteando esse filme, entre os que comentarem esse post deixando seu e-mail!

15 comentários:

  1. Oi, Pandora!
    Também sou fã de Jane Austen e seus romances.
    Razão e Sensibilidade é um filme que já vi trocentas vezes e não me cansa e noutro dia ganhei de presente um DVD para nunca mais esquecer mesmo esta linda estória.
    um beijo carioca

    ResponderExcluir
  2. “Metade do mundo não consegue compreender os prazeres na outra metade.”

    Jane Austen inventou o romance moderno ;) Você já assistiu o documentário "The Divine Jane: Reflections on Austen"?

    Meu email, luzdeluma@ovi.com

    Beijus,

    ResponderExcluir
  3. Adorei participar desse especial, como já te disse mil vezes. Sempre resisti a resenhar Austen e Dumas, os achava incríveis demais para conseguir escrever sobre seus livros, mas tu me fez encarar esse meu receio (nos dois casos). Eu é quem devo agradecer então!

    ResponderExcluir
  4. Ótimo enredo! Basta-me ler o livro agora... E ter o filme comigo pra matar a saudade!

    naty.lp@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. Eu não li o livro,mas o filme retrata muito bem a personalidade de todos os personagens.Aliás,um lindo filme!Vou procurar o livro e tentar retornar a leitura.Com a internet ando muito preguiçosa para ler livros...rsrs
    Bjcas e otimo fds querida

    ResponderExcluir
  6. Razão e Sensibilidade desperta muitos questionamentos em quem lê, tanto pelo contexto social, quanto no aspecto psicológico dos personagens. Esse equilíbrio entre as irmãs é construído de uma forma incrível. Mas sabe, o personagem que eu mais gosto no livro é o Coronel Brandon hahaha
    Ah, preciso comentar: sou fã de Ang Lee, mas não suporto o filme Razão e Sensibilidade. Não faz jus ao filme. Acho a adaptação de Orgulho e Preconceito muito mais fiel.

    ResponderExcluir
  7. Ah eu quero! Quero Razão e Sensibilidade para completar minha coleção Austeniana! No filme evidenciam ainda mais essa disparidade entre as personagens, tanto que eu acho a Marianne insuportável no filme. Muito boa resenha! email: aleska.lemos@hotmail.com vou cruzar os dedos*_*

    ResponderExcluir
  8. Amiga, "Orgulho e Preconceito" e "Razão e "Sensibilidade" são as obras que mais gostei, embora "Emma" tenha me feito sonhar sobremaneira... rs...
    Beijinho...

    ResponderExcluir
  9. Ana, é por ser mais fácil perceber detalhes lendo, que os livros são sempre melhores que os filmes. Li Jane Austen quando adolescente, o que já vai um tempo enorme, por isso gostei do filme Razão e Sensibilidade, por me fazer recordar o livro, mas não com todas as nuances de uma boa leitura.
    O melhor é ler, primeiro, e depois ver o filme, para dar vida aos personagens, às vezes meio nebulosos na nossa mente.
    Estou me emplogando, e o jeito vai ser procurar os livros de Austen e ler de novo, agora com outros olhos, certamente.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  10. Esse livro é muito bom, embora não seja meu preferido de Austen, gostei muito da sua resenha, tirou as palavras da minha boca.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Eu não conhecia a escritora mais gosto muito desse estilo de escrita que mostra a personalidade das personagens, vou ver se encontro o livro na biblioteca, e vou ver o filme depois, quem sabe eu não ganho né. Bjks

    ResponderExcluir
  12. Eu amei "Razão e sensibilidade", da Jane Austen. É o livro encantador! A força dessas quatro mulheres que se erguem depois da morte de John é algo notável, ainda mais se considerarmos a época retratada no livro.
    Muito boa a resenha da Seerig! =D

    Eu quero ganhar o DVD!
    erickinha_fofinha_16@hotmail.com

    Beijo, Jaci!

    ResponderExcluir
  13. Eu quero participar, já que sou sempre obrigada a ler todos os post do Em quantos e tbm gosto muito de Austen. Morro de rir com a esposa de senhor John Dashwood, mas ação que ela deveria se meter menor na vida das filhas...

    lelaclemente@hotmail.com

    xero!!!

    ResponderExcluir
  14. Me atiçou as bichas! rsrsrs Meninas, vocês já sabem que não li nada da Jane Austen (obrigada por não me tratar como uma alienada) mas lembro que queria muito assistir a esse filme e não consegui na época. Confesso que as razões para assistir aparecem nas imagens. Adoro os figurinos da época. Aquele chapéu que a personagem da Kate Winslet usa não é lindooo??? Mas a resenha que a Ana fez atiçou a curiosidade para assistir ao filme para ver além do figurino. Então, vamos ver se ganho esse filme e entro para esse seleto grupo de adoradores de Jane Austen :)
    E-mail: donacoisinha@donacoisinha.com
    beijocas!

    ResponderExcluir
  15. Cheguei tarde para o sorteio, mas amei ler o post.

    Beijos

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner